Sala de imprensa

Cenário da Automação Comercial em 2017

06 de Abril de 2017

Em 2016, a quantidade de pontos de venda com automação cresceu 42% em relação ao ano anterior, de acordo com dados divulgados pelo IBGE e IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação)

 

 

É interessante observar que o segmento de automação comercial no Brasil começa a seguir os padrões dos mercados internacionais, afinal, nos últimos anos, há uma maior procura por soluções tecnológicas que melhoram a experiência final de compra do consumidor que tragam melhor geolocalização de produtos e soluções e consequentemente minimizam possíveis perdas dos pontos de venda.

 

Nesse parâmetro, a Internet das Coisas (IoT) se apresenta como a tecnologia que tem guiado o setor, afinal as fornecedoras de equipamentos e desenvolvedores de plataformas, software e soluções industriais intensificam regularmente o lançamento de produtos customizados e em escala para atender os clientes.

 

Para termos ideia do potencial do segmento a previsão segundo o IDC é que o ecossistema de IoT no Brasil dobre de tamanho até o final da década, superando US$ 13 bilhões. O avanço do IoT estará conectado com o uso de Analytics, fundamental para transformar dados em valor para os negócios, e com computação em nuvem, que será a plataforma para processamento desses dados — até 2019,  aproximadamente 43% dos dados de IoT serão tratados na nuvem.

 

Atenta a essa nova diretriz do segmento a AFRAC (Associação Brasileira de Automação para o Comércio) destaca que as soluções de automação seguem conceitos como inovação e mobilidade para ganhar cada vez mais o mercado nacional.  “As empresas procuram por soluções que forneçam o melhor custo X benefício, em 2017 o cenário é positivo. A tendência que ditará o mercado é a mobilidade. O tablet será utilizado como peça principal para o setor de automação. Diversos empresários estão muito confiantes, por isso, este é o momento do canal aparecer e acreditar na retomada da economia e no crescimento das vendas novamente”, agrega Zenon Leite Neto, presidente da AFRAC, completando que há muitas oportunidades de vendas para os parceiros, afinal só 15% das empresas são totalmente automatizadas no país. Os setores, segundo a associação, que devem ser observados pelas revendas na hora de comercializar as soluções automatizadas são supermercados, bares e restaurantes e confecções.

 

Tendências que apresentam os novos rumos do segmento

 

O sistema de automação que faz uso de técnicas computadorizadas ou mecânicas com o objetivo de dinamizar e otimizar todos os processos produtivos dos mais diversos setores da economia que conhecemos como automação traz inúmeras tendências como self checkout, mobilidade, fast pass e contact less, entre outras. “O varejo precisa se diferenciar para manter os consumidores que passaram a comprar também no e-commerce, que vem crescendo fortemente. É preciso garantir que os consumidores retornem ao estabelecimento mais vezes. Nesse sentido, a mobilidade é um forte apelo, pois é uma das soluções que melhoram a experiência geral do cliente na loja física, principalmente por sua rápida velocidade, diminuindo consideravelmente as filas na hora do pagamento. São soluções que permitem o uso de tablets, smartphones e outros aparelhos móveis para executar vendas em qualquer espaço da loja e, através da rede sem fio, também ficam diretamente conectados a uma impressora, agilizando todo o processo da compra”, afirma Ewerson Matos, diretor Regional de Negócios da Epson.

 

Matos reforça que outra tendência que dita o segmento e que o canal precisa ficar atento é a cuponagem que é uma prática que pode ser  integrada à soluções móveis e à internet. “A cuponagem, se usada corretamente, é uma importante ferramenta para a fidelização do cliente. Com a possibilidade que as impressoras oferecem de imprimir cupons livremente, este equipamento passa a ser uma ferramenta de marketing para acelerar vendas com a divulgação impressa de promoções ou cupons de desconto. “Quando as impressoras têm um bom suporte ao modo gráfico de impressão, é possível deixar os cupons ainda mais atrativos com logotipos, imagens e QR Codes”, completa o executivo.

 

Para Bematech by TOTVS, os pagamentos móveis devem ser um item importante nos  próximos anos, assim como tecnologias de analytics e de big data. “No entanto, mais importante do que as ferramentas que devem se difundir, é a experiência oferecida ao consumidor, que precisa ser cada vez mais diferenciada. Uma empresa pode adotar todas essas tecnologias, mas precisa fazê-la com foco na experiência que irá oferecer aos consumidores”, agrega Eros Jantsch, vice-presidente de Micro e Pequenos Negócios da companhia, completando que a revenda precisa contar com parceiros de tecnologia que ofereçam soluções com foco na necessidade dos clientes e produtos complementares.

 

Luis Lourenço, diretor de Advanced Solutions e Desenvolvimento de Novos Negócios da Ingram Micro, avalia que a constante busca para proporcionar melhores experiências ao consumidor tem levado o varejo a adotar novas tecnologias como computação cognitiva e realidade aumentada, permitindo assim a diferenciação e personalização da oferta para o usuário final.  “Além do fator experiência, questões impositivas de cunho tributário e de Direito do Consumidor têm estimulado, por outro lado, o uso de tecnologias como o de etiquetas eletrônicas, que mantêm os preços na gôndola sempre atualizados, refletindo automaticamente qualquer reajuste de valores e evitando assim autuações dos órgãos de fiscalização por conta de informações discrepantes”, considera o executivo, reforçando que a distribuidora disponibiliza as seguintes marcas para as revendas: Argox, Cis, Datalogic, Dimep, Elo Touch Solutions, Epson, Flexport, Gerbo, Gertec, Honeywell, Postech, Star Micronics, Tanca, Toshiba, Ubiquiti e Zebra.

 

Já a Mazer destaca que devido as atualizações obrigatórias de tecnologia,  há uma demanda maior pelos recursos para NFC-e. “Uma grande tendência que está chegando ao mercado de automação é o aluguel dos equipamentos para quem está pensando em economizar custos e centralizar a gestão dos equipamentos diminuindo assim as preocupações com aquisição, manutenção e infraestrutura. O varejo  tem como produto de desejo o self checkout, mas ainda tem receio de implantar este  sistema  por causa da segurança, dificuldade de controle, alto custo de aquisição que o deixa ainda como uma promessa para 2017. Outra oportunidade que está crescendo muito neste ano no varejo é o mercado de transformação digital dentro dos estabelecimentos varejistas Brasileiros.   Na minha opinião as soluções em tecnologia e internet das coisas são as principais novidades para o segmento de automação comercial”, pontua Diego de Lima Silva, gerente de Produto/Compras.

 

Vale frisar que os varejistas e atacadistas perceberam que as soluções de automação comercial, embora tenham um investimento inicial, se traduzem em redução de custos operacionais, otimização do tempo em processos e melhor experiência para o consumidor, que acaba por se fidelizar.

 

Portfólios de ponta para atender o mercado

 

O segmento de automação comercial acompanha o crescimento da indústria e do varejo. Desse modo é preciso investir em soluções que tornem as operações mais ágeis e que ajudem a diminuir os custos operacionais. As empresas trazem produtos e soluções que se adaptam ao que o cliente procura e a revenda deve conhecer os portfólios de ponta. “Entre nossos principais produtos no mercado atualmente temos o computador móvel TC8000 e o scanner de mão Rhino 3600, lançados em 2016. Ambos apresentam um grande avanço tecnológico em solução para setores como varejo, transporte e logística. Estes são modelos robustos, que suportam um ambiente onde quedas são comuns, e entregam um aumento de produtividade, quando usados de forma conjunta, de até 12%. Nossa principal preocupação com eles é a facilidade no uso e a flexibilidade, podendo ser adaptados e usados para todos os setores”, pontua Vanderlei Ferreira, country manager da Zebra Technologies, reforçando que a fabricante possui modelos de coletores de dados de baixo custo e modelos de scanners 2D.

 

Já a Schalter traz novidades para o canal como: Terminal de autoatendimento Self Checkout  em parceria com a Toshiba, Mini terminal de autoatendimento com sistema Android, terminal pagador EasyPay (indicado para transações financeiras) e  reformulação da  linha de CPU’s (Mini PCs e Thin Clients). “Por meio dos terminais de autoatendimento proporcionamos facilidade, objetividade e ganho de tempo. Os produtos estão inseridos no conceito da alta tecnologia tendo a qualidade como principal fator. Os produtos de maior destaque são: EasyPay (terminal financeiro), EasyLine (emissor de senhas) e o Self Checkout”, diz Valtuir Fraga Caetano, diretor presidente da companhia.

 

Matos da Epson agrega que a fabricante tem uma linha completa de equipamentos para atender a todas as legislações vigentes de migração de impressoras fiscais para impressoras não-fiscais e para a Autocom 2017,  a companhia levou o lançamento da Epson SAT-A10, que complementa seu portfólio. “O Epson SAT-A10 é um dispositivo de autenticação de cupons fiscais eletrônicos, que atende à legislação SAT CF-e e já está homologado na Secretaria de Fazenda de São Paulo (Sefaz/ SP). O equipamento valida e transmite automaticamente as informações necessárias pela internet, diretamente ao sistema desse órgão público, e é compatível com os principais softwares de automação do mercado”, ressalta o executivo, agregando que todas as impressoras da marca atendem às novas tendências de mercado: podem ser operadas, através de dispositivos móveis (mPOS), instaladas em self checkout, além de possibilitar a impressão de QR Codes e imagens, que incrementam os cupons de desconto.

 

A Bematech by TOTVS atua em diversos portes de clientes do varejo. Para as micro e pequenas empresas, a companhia disponibiliza o Bemacash, uma solução completa de software (Fly01) e hardware (Bematech) vendido como subscrição. “Para as organizações de médio e grande porte, temos o ERP (software de gestão), PDV, soluções de e-commerce e o fluig, uma solução voltada para transformação digital, produtividade e colaboração. As ofertas da companhia são amplas, mas conectam o mundo físico ao e-commerce para atender às demandas do gestor da loja e do administrador da empresa e, ao mesmo tempo, oferecer uma experiência única aos consumidores”, agrega Jantsch.

 

É importante que as revendas conheçam o lineu up de produtos disponíveis, a fim de oferecer aos varejistas o modelo que mais se adequa às suas necessidades.

 

Segmentos que trazem oportunidades reais de transações comerciais aos parceiros

 

Quando falamos em segmentos observamos que há inúmeras opções para os canais oferecerem ao varejo. “A área de impressoras fiscais e não-fiscais continuam representando o maior faturamento do setor.  As revendas tem uma enorme oportunidade para agregar valor nas vendas agindo  de forma consultiva e ofertando soluções completas”, afirma Silva da Mazer,  destacando que a companhia distribui Argox, Bematech by TOTVS, Elgin, Epson, Gertec, Honeywell, Perto Automação, Tanca e Zebra Technologies.

 

Para a Schalter o Self Checkout já é uma realidade do setor. “O mercado tem se preparado para isso e o mais importante é a aceitação da população, dos usuários e dos estabelecimentos comerciais. Além de proporcionar uma atualização tecnológica, representa uma diminuição de custos operacionais para quem adquire essa tecnologia. O impacto acaba sendo tanto mercadológico em termos de valorização do patrimônio quando na satisfação dos clientes que acabam tendo mais uma opção para serem atendidos com agilidade e eficiência”, agrega Caetano.

 

Lourenço da Ingram considera que cloud é a  aposta da empresa como oportunidade de negócio para  as revendas. “Também não podemos esquecer de big data, social business, mobilidade e outras tecnologias que virão para tornar o mundo e as relações ainda mais interconectadas. IOT, VR (realidade virtual) e a transformação digital (DX) também já se mostram como um caminho a ser perseguido pelo canal que quer atender os clientes finais em  busca de inovação, eficiência e competitividade. Na área de automação, temos desde soluções para infraestrutura básica de conectividade wireless, até  servidor de rede com solução de backup e acesso à nuvem”, declara o executivo.

 

Atualmente a POS Tech possui em seu portfólio os seguinte produtos: PC´s Desktop e Mini-PCs, PDV touchscreen de 15,6” modular,  all-in-one e um PDV touchscreen de baixo custo de 10,8”. “O mercado de alimentação (food truck) tem apresentado um bom desempenho. Hoje o segmento tem muitas opções e os clientes muitas vezes não detém conhecimento suficiente para decidir sobre as ofertas de tecnologia. As revendas que dominam conteúdos de tecnologia, podem enriquecer suas ofertas e tornar o cliente fiel à sua marca”, ressalta Romeu de Sousa Junior, diretor de Negócios Estratégicos da empresa, pontuado que no final do ano passado a POS Tech fez uma rodada de roadshows  para preparar os canais  e pretende repetir a empreitada em 2017.

 

  Ações em prol do parceiro

 

Para preparar a revenda que atende ao varejo, as companhias disponibilizam programas para treinamento e qualificação. “Na Zebra, temos um programa de canal bem estruturado, o PartnerConnect. Na plataforma, a  revenda tem acesso à todo o ecossistema global da Zebra Technologies. Em contrapartida, contamos com o canal especializado para endereçar vendas aos clientes finais, fornecemos treinamentos e outras vantagens que estimulam as revendas e fazem com que entendam os reais benefícios dos produtos. Assim, podendo não só oferece-los, mas entregar uma solução completa e adequada caso a caso”, agrega Ferreira.

 

Silva da Mazer destaca que para tornar a venda dos produtos recorrentes e ter lucratividade é necessário uma sinergia e principalmente o alinhamento entre todo o ecossistema de Fabricante, Distribuidora e Revenda. “Hoje uma das fabricantes que mais investem no canal é a Bematech, a empresa possui executivos de canais no campo para auxiliar e suportar as revendas em suas diversas necessidades e faz constantemente treinamentos e road shows. A Bematech  disponibiliza o Programa Bematech+ onde a revenda tem muitos benefícios agregando mais  valor ao seu negócio”, pontua o executivo.

 

O Epson Stars é o programa de relacionamento da Epson com o canal em que os parceiros têm benefícios exclusivos para gerar novos negócios. “Para participar, a revenda deve se registrar em www.epsonstars.com.br. Os participantes têm metas mensais de compras que são revertidas em benefícios correspondentes à categoria do parceiro e segmento de produto. Os pontos são acumulados e podem ser resgatados em até 12 meses, por rebates, verbas de marketing cooperado, promoções e produtos para showroom. A Epson também tem trabalhado em parceria com as distribuidoras na elaboração de roadshows e treinamentos de produtos para o canal”, ressalta Matos.

 

Todas as revendas credenciadas que trabalham com a Ingram Micro contam com treinamentos técnicos, apoio às vendas e suporte financeiro, por meio IM Linha Fácil —, que atende praticamente todas as demandas dos canais e seus projetos com clientes finais. “A própria evolução tecnológica tem permitido que canais não-tradicionais venham cada vez mais explorar as oportunidades no segmento de automação comercial, na medida em que antigas barreiras deixam de existir (como no caso das impressoras fiscais e a necessidade de lacração por um grupo restrito de prestadores de serviços) e novas tecnologias são incorporadas no dia-a-dia, como no caso da mobilidade.  Adiciona-se a isso a possibilidade do canal vir a encontrar na Ingram Micro uma distribuidora com soluções fim-a-fim, onde o mesmo pode incrementar sua oferta com produtos únicos e complementares às soluções de automação, como infraestrutura de armazenamento e comunicação de dados, aplicações de negócios e o portfólio Cloud”, diz Lourenço.

 

Vale destacar que as companhias fornecem aos canais diversas ferramentas de aprimoramento para dar suporte nas transações comercias. Os varejistas procuram por soluções customizadas que tragam maior desempenho e diferencial, com leituras rápidas e precisas o parceiro precisa conhecer profundamente as novidades e tendências do setor que não para de crescer no Brasil se quiser aumentar as vendas e torná-las recorrentes.

 

Fonte: PartnerSales

Por Virgínia Santos

Publicado em 05/04/2017 às 16:40